Legumes e Vegetais

Couve de bruxelas – para que serve, benefícios e contraindicações!

A couve de bruxelas é rica em vitaminas e minerais essenciais à saúde, pois, merecem uma segunda chance, porque são repletas de nutrientes vitais. Além disso, enquanto muitos lembram desse vegetal mole somente oferecido quando eramos criança, ou em tempo de férias. Está tendo seu retorno como um vegetal versátil e crocante, delicioso com bacon de peru, crocante frito em óleo de coco ou assado com manteiga clarificada ou manteiga!

Couve de Bruxelas
Couve de Bruxelas

Para que serve a couve de bruxelas:

A couve de bruxelas é real porque oferece muitos benefícios importantes para saúde: fornece muitos antioxidantes. Além disso, ajuda no combate ao câncer e doenças cardíacas, restaura a digestão saudável, alcaliniza o corpo e muito mais.

Também têm uma quantidade surpreendentemente alta de proteína para um vegetal, semelhante aos seus outros vegetais folhosos e membros da família de vegetais crucíferos.

Somente uma xícara atenderá às suas necessidades diárias de vitamina C e vitamina K durante o dia, além de fornecer bastante folato, potássio, vitaminas B, manganês e muitos outros nutrientes. Além disso, fazem parte da família de vegetais crucíferos, um grupo de vegetais nutricionais que são especialmente importantes para combater o câncer.

A família Cruciferous, às vezes também chamada de vegetais Brassica, inclui vegetais como brócolis, couve-flor, repolho e couve, que fornecem um alto nível de antioxidantes que combatem doenças e outros nutrientes. Além disso, esses tipos de verduras não excedem em calorias.

Por causa de sua alta proporção de nutrientes por caloria, cada especialista lhe dirá que vegetais crucíferos, incluindo couve de bruxelas, devem estar no topo da sua lista de compras.

Ao aumentar o seu consumo de vegetais, você poderá diminuir o risco de obesidade, câncer, diabetes, doenças cardíacas e distúrbios neurodegenerativos. Além disso, pode ajudá-lo a ter um peso saudável, proporcionar mais energia, ajudar no crescimento muscular e melhorar a sua visão e aparência.

História da couve de bruxelas:  

Fazem parte da família Brassica, também conhecida como vegetais crucíferos. Parecendo-se com repolhos em miniatura, as couve-de-bruxelas estão intimamente relacionadas a grandes tipos de repolho e, tecnicamente, são consideradas uma espécie de repolho.

Muito popular em Bruxelas, na Bélgica – de onde vêm o nome – acredita-se que as couves-de-bruxelas tenham sido consumidas regularmente na Bélgica desde o século XIII, embora seja provável que percorram todo o caminho de volta à Roma Antiga.

Primeiramente escrito em 1587 em textos originários da Holanda, verificou-se que as couves de Bruxelas cresceram bem em climas frios e se popularizaram em toda a Holanda e depois se espalharam pelas partes mais frias do norte da Europa.

A produção comercial de couves-de-bruxelas começou nos EUA durante o século XVIII, quando os exploradores e colonos franceses as levaram para os estados do sul, especialmente para a Louisiana.

Durante a década de 1940, com muito mais milhares de hectares de terra dedicados ao cultivo de couves de Bruxelas, elas cresceram especialmente em termos de popularidade e disponibilidade.

Hoje, a couve de bruxelas são apreciadas em toda a Europa e América do Norte, onde são colhidas quase o ano todo. Vários milhares de hectares são plantados em áreas costeiras da Califórnia, o estado dos EUA que produz a maior quantidade, devido à sua neblina costeira e temperaturas amenas durante todo o ano.

Normalmente, elas podem ser encontradas para venda na maioria dos mercados de agricultores nos meses de outono e início do inverno.

Valor nutricional da couve de bruxelas:

É um vegetal rico em muitos nutrientes benéficos à saúde.

Uma xícara de couve de bruxelas cozida fornece (em doses diárias recomendadas):

  • 56 calorias;
  • 4 gramas de proteína;
  • 4 gramas de fibra;
  • 274% de vitamina K;
  • 162% de vitamina C;
  • 24% de vitamina A;
  • 24% de folato;
  • 18% de manganês;
  • 14% de potássio;
  • 14% de vitamina B6;
  • 12% de tiamina;
  • 10% de Ferro;
  • 270 mg de ácidos graxos ômega-3.

Benefícios da couve de bruxelas para saúde:

1. Contra o câncer: 

Vegetais crucíferos, incluindo couve de bruxelas, estão associados a um menor risco de câncer porque protegem contra os danos dos radicais livres, ou estresse oxidativo, e mutação de DNA.

Pesquisadores relatam que os compostos contendo enxofre chamados sulforafano são o que proporciona aos vegetais crucíferos suas capacidades de combate ao câncer, além de seu distinto odor e, às vezes, sabor amargo. Os sulforfanos inibem a histona desacetilase enzimática nociva (HDAC), conhecida por estar envolvida na progressão das células cancerígenas.

Também é protetora porque contém compostos chamados glicosinolatos e isotiocianatos, que podem reduzir o risco de câncer. Estudos mostram que o consumo de couve de bruxelas, especificamente, pode reduzir o risco de câncer de cólon.

Um estudo descobriu que os altos níveis de glucosinolatos, um tipo especial de composto que combate o estresse oxidativo e ajuda o corpo na desintoxicação, aumenta significativamente a defesa do organismo contra a progressão do câncer.

Os pesquisadores concluíram que os antioxidantes e os níveis aumentados de enzimas de desintoxicação, que as pessoas experimentam depois de consumir couve de bruxelas, são parcialmente responsáveis por deter os danos ao DNA nos quais as células cancerosas se transformam e formam tumores.

Isso diminui o risco de cânceres como câncer de pele (melanoma), esôfago, mama, próstata, cólon e pâncreas. Além disso, também contêm uma alta quantidade de clorofila, que pode bloquear os efeitos carcinogênicos das células.

2. Construção dos ossos:

São um dos melhores fornecedores de vitamina K, com mais de 270% do seu valor diário em cada xícara.

A vitamina K é responsável por manter a estrutura esquelética saudável e ajudar na prevenção de problemas relacionadas à perda de densidade mineral óssea, como osteoporose ou fraturas ósseas. A vitamina K também tem a capacidade de ajudar na coagulação do sangue, na calcificação óssea e na desativação da inflamação no corpo.

A couve de bruxelas fornece uma alta dose de vitamina K, que pode ajudar na compensação dos problemas associados à uma dieta pobre e hábitos de vida pouco saudáveis. A deficiência de vitamina K pode ocorrer por diversos motivos, incluindo o uso prolongado de antibióticos, problemas digestivos e intestinais, como a doença inflamatória crônica do intestino, e remédios farmacêuticos populares que diminuem o colesterol.

A vitamina K é uma vitamina lipossolúvel, o que significa que é absorvida nos intestinos, juntamente com a gordura. Por esse motivo, é mais benéfico consumir couve de bruxelas com uma fonte de gordura saudável – torrando-as em um pouco de óleo de coco, por exemplo.

3. Para o sistema imunológico:

Fornece uma grande quantidade de vitamina C que estimula o sistema imunológico. A vitamina C atua como um antioxidante protetor no organismo, reduzindo a inflamação e os danos celulares.

Essenciais para um sistema imunológico forte, além de muitas outras funções dentro do corpo, como o crescimento e desenvolvimento de bactérias, vírus, toxinas e outros invasores prejudiciais que podem causar doenças. Além disso, os antioxidantes presentes na vitamina C mantêm sua imunidade forte contra infecções e microrganismos patógenos.

Por causa dos efeitos protetores da vitamina C, as couve de bruxelas ajudam no mantimento da saúde do trato digestivo, pele, olhos, dentes e gengivas. Os alimentos com vitamina C também protegem as células dos danos provocados pelos radicais livres – reduzindo assim o risco de doenças cardíacas, câncer, respostas auto-imunes e muito mais.

As propriedades protetoras das couves-de-bruxelas impedem que o sistema imunológico opere em overdrive, no qual reações autoimunes provocam mais danos. Uma xícara cozida contém impressionantes 164% das necessidades diárias de vitamina C!

4. Combater a inflamação e a doença cardíaca:

Segundo a pesquisa, os vegetais crucíferos podem reduzir significativamente o risco de doenças cardíacas. Os estudos mostram que altos níveis de inflamação estão diretamente correlacionados com um risco aumentado de doença cardíaca, acidente vascular cerebral, diabetes e distúrbios neurodegenerativos.

A capacidade anti-inflamatória da couve de bruxelas são atribuídas ao seu fornecimento de vitamina K, vitamina C, vários antioxidantes e até mesmo pequenas quantidades de ácidos graxos ômega-3.

Essas vitaminas, antioxidantes e ômega-3 trabalham em conjunto para manter as artérias longe do perigoso acúmulo de placa, além disso, ajudam a baixar os níveis de colesterol, combater a pressão alta, aumentar o fluxo sanguíneo e manter vasos sanguíneos fortes e saudáveis.

Esses benefícios significativos reduzem a chance de ataque cardíaco e outras complicações cardiovasculares que afetam milhões de pessoas todos os anos.

A couve de bruxelas também é poderosa porque contém muitos fitonutrientes especiais, antioxidantes e compostos – incluindo sulforafano, glucobrassicina, glucorafanina e gluconasturti – que são eficazes na redução de inflamações perigosas e doenças cardíacas.

Esses antioxidantes, fitonutrientes e compostos ajudam na desintoxicação do corpo. Apoio da função hepática, retardamento dos danos dos radicais livres e prevenção da formação de muitas doenças comuns, incluindo doenças cardíacas.

5. Saúde digestiva:

Glucosinolatos encontrados em couve de bruxelas podem ajudar na proteção do revestimento vulnerável do trato digestivo e do estômago, reduzindo as chances de desenvolver síndrome do intestino permeável ou outros distúrbios digestivos.

Ao mesmo tempo, o sulforafano encontrado, facilita o importante processo de desintoxicação do corpo. Eles podem ajudar com a digestão, impedindo que o crescimento bacteriano ocorra na microflora intestinal.

Somente uma xícara de couve de bruxelas cozida fornece 4 gramas de fibra dietética, o que é importante para manter a saúde digestiva. Infelizmente, hoje a dieta média de uma pessoa contém muito menos do que a quantidade recomendada de 25 a 30 gramas de fibra dietética, que deveria ser conseguida de alimentos integrais como vegetais, frutas, feijões, nozes e sementes.

As fibras mantêm o sistema digestivo funcionando sem problemas. Incentivando evacuações regularmente, prevenindo a constipação ou a diarreia e desintoxicando o corpo, eliminando toxinas e resíduos do trato digestivo.

A fibra encontrada também tem outros benefícios importantes. Como reduzir os níveis de colesterol e a diminuir a absorção de glicose no fluxo sanguíneo. O que significa que ajuda na proteção contra o diabetes e doenças cardíacas.

Malefícios da couve de bruxelas:

Há alguma preocupação com observações preliminares de que vegetais crucíferos, podem ter um efeito negativo sobre a função da tireoide.

Os vegetais crucíferos são a principal fonte de glucosinolatos na dieta humana. E certos glucosinolatos são convertidos em espécies goitrogênicas, que podem ter um impacto na função da tireoide. No entanto, estudos mostram agora que os benefícios de vegetais crucíferos superam os ruins.

De acordo com um estudo recente, quando 10 indivíduos voluntários incluíram couve de bruxelas em sua dieta todos os dias por um período de tempo. Os brotos não tiveram efeito sobre a função da tireoide.

Os pesquisadores acreditam que, embora os brotos contenham altas concentrações de glicosinolatos, essas moléculas se tornam inativas quando cozidas e não afetam negativamente a tireoide.

Por este motivo, os especialistas ainda recomendam fortemente o consumo de vegetais crucíferos pelo público em geral, devido seus muitos benefícios comprovados.

Sou nutricionista e Personal Trainer. Me formei pela Universidade Federal do Tocantins em 2002, com registro profissional no CRN-4 nº 1509723, tenho especialização em Nutrição Esportiva, Treinamento Físico e treinos Curto de alta intensidade.

3 comentários

  • […] também conhecida como a família Brassica oleracea, juntamente com brócolis, repolho, couve, couve de Bruxelas e algumas outras variedades menos […]

  • […] a saúde são semelhantes aos alimentos populares ricos em nutrientes, como brócolis, espinafre e couve de Bruxelas. E não vamos esquecer o potássio (presente nessa batata) que oferece a regulação da pressão […]

  • […] alimentos que sejam difíceis de digerir ou que causem quantidades maiores de gases (por exemplo, couve de bruxelas, repolho, feijão e […]

Deixe um comentário